TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO TECNOLÓGICO NO CLUSTER ENGINEERING AND TOOLING

bootstrap html templates

A Web Summit na perspetiva do Cluster de Engineering and Tooling

A Web Summit 2017 decorreu no início de Novembro com uma organização semelhante à edição de 2016, contudo houve uma maior preocupação com o dimensionamento dos vários espaços destinados às conferências.

Das inúmeras conferências que decorreram a AUTOTECH / TalkROBOT foi, mais uma vez, a que demonstrou maior ligação ao nosso Cluster. Esta conferência foca os aspetos da mobilidade no futuro, quer ao nível dos meios de transporte quer dos modelos de negócio.

Em 2016 o destaque foi para aspetos mais conceptuais que os veículos autónomos terão na vida das pessoas, na organização das cidades e nos modelos de negócio associados à mobilidade, bem como nos drones enquanto meio de transporte de bens e pessoas.

Nesta edição foi possível perceber a evolução que o desenvolvimento da mobilidade do futuro está a ter, nomeadamente ao nível do ecossistema de desenvolvimento da condução autónoma. Assiste-se a uma desvinculação entre o veículo e o sistema de condução autónoma, isto é, o veículo pode ser visto como um conjunto de software / hardware e o sistema de condução autónoma pode ser visto como uma ou mais aplicações que se instalam, atualizam e/ou substituem.

A abordagem utilizada pelos desenvolvedores de software baseia-se nos sinais disponíveis no veículo para alimentar o sistema de condução autónoma. Esta abordagem permite-lhes focar-se no desenvolvimento da inteligência artificial necessária para excluir o humano da atividade de conduzir.

Presentemente, o humano desempenha o papel de tutor/professor dos sistemas de condução autónoma (assistida), isto é, durante as horas de utilização do sistema, onde é requerida atenção constante do condutor, são registados todos os momentos em que o condutor teve que intervir, sendo esta informação processada por sistemas de machine learning que permitirão o aperfeiçoamento do sistema de condução autónoma. A empresa comma.ai mostrou o funcionamento do seu produto (composto por um dispositivo de aquisição de sinais do veículo, um módulo de processamento com sistema de visão e o software OpenPILOT), tendo referido que conta já com mais de 3 milhões de quilómetros de testes realizados por todo o território dos Estados Unidos.

[a Tesla está para o iOS assim como a comma.ai está para o Android] George Hotz

Como é óbvio não se trata de instalar um dispositivo em qualquer automóvel atual para lhe dar a capacidade de condução autónoma (assistida) mas, nos carros que já dispõem de automação nos aspetos mecânicos da condução, acelerar, travar, virar, etc, será possível fazer o upgrade. O sistema está disponível para alguns veículos da Honda e Toyota.

Fonte: www.comma.ai

Fonte: www.honda.com

As alterações que se preveem inevitáveis a médio e longo prazo no conceito de mobilidade terão um impacto significativo no Cluster de Engineering and Tooling dada a preponderância da indústria automóvel no seu portefólio de clientes.

Neste contexto, existem algumas tendências sobre as quais se deve refletir:


- Existe um ambiente propício ao surgimento e desaparecimento de alguns players;

[do lado do desaparecimento: o contexto acelerado de mudança tenderá a excluir os que não forem suficientemente ágeis para se adaptarem às novas necessidades do mercado; do lado do nascimento: a entrada dos grandes players de ICT (ex. Google, Uber, etc) trazem elementos culturais muito distintos das empresas do sector automóvel tradicional, novas geografias, novos princípios de negociação, nova filosofia face ao ciclo de vida do produto, etc.]


- Alteração da procura, quer dos requisitos funcionais, quer do perfil do comprador

[alteração da posse do veículo: por um lado o comprador do automóvel tenderá a não ser o indivíduo mas um fornecedor do serviço de mobilidade; alteração do tipo de utilização: com a condução autónoma o veículo passará a ser uma extensão do escritório ou da sala de estar, o que irá revolucionar a conceção do interior do veículo]


- Gestão do ciclo de vida

[o veículo e seus componentes tenderão a ser monitorizados durante todo o seu ciclo de vida, tendo em vista a manutenção da sua funcionalidade, prevenção de falhas, etc, como resultado da implementação de conceitos como a IoT e Digital Twin; por outro lado, aspetos relacionados com a reutilização dos materiais condicionarão cada vez mais os tipos de materiais utilizados, bem como os processos de produção, tendo em vista a maximização da circularidade da economia/recursos e a redução da pegada de carbono]


Estas tendências de evolução/rutura no modo de utilização, propriedade dos veículos e na mobilidade enquanto sistema de articulação de vários meios de transporte permitem antecipar novos desafios, que se colocam às indústrias de moldes e plásticos, relacionados com especificações funcionais das peças e dos materiais utilizados, bem como, na integração de componentes eletrónicos e na funcionalização de superfícies. Por outro lado, antevêem-se desafios relacionados com o mercado, nomeadamente novos players, novas geografias, novos modelos de negócio.

Eventos como a Web Summit permitem perceber a velocidade com que estas tendências se podem tornar realidade, a título de exemplo a comma.ai desenvolveu os seus produtos em pouco mais de um ano e Elon Musk da Tesla prevê que em dois anos esteja disponível um sistema de condução completamente autónomo, não obstante há dois anos ter feito a mesma previsão.

[dentro de três anos os carros autónomos serão significativamente melhores condutores que os humanos] Elon Musk

Fonte: https://electrek.co/2017/12/08/elon-musk-tesla-self-driving-timeline

Não vamos opinar sobre o exagero ou arrojo destas previsões mas convém ter consciência que o mercado e o produto estão a mudar.

PL2017

Projeto Nº:
POCI-01-0246-FEDER-026787

Período de execução:
01-09-2017 a 31-08-2019